Yvonne Bezerra de Mello



Yvonne Bezerra de Mello
Organização: Projeto UERÊ
Tema: Pedagogia destinada a crianças e jovens de 6 a 18 anos em situação de extrema pobreza, exclusão social, poli-traumatizados pela violência e com graves dificuldades de aprendizado e cognição.
Lugar de Atuação: Rio de Janeiro
Problema que aborda

O Projeto UERÊ tem como objetivo aumentar o desempenho de crianças com problemas crônicos de cognição devido à violência constante; e com traumas físicos e psicológicos, fruto da moradia em zonas conflagradas nas cidades brasileiras. O público alvo do projeto corresponde a cerca de 50% dos alunos do ensino fundamental de escolas e colégios públicos do Brasil, que vivem e estudam em zonas de risco.


Modelo de intervenção

Por meio de abordagem pedagógica UERÊ-MELLO, os alunos atendidos pelo projeto conseguem uma reabilitação cognitiva completa entre 6 e 18 meses, sem qualquer alteração ou adaptação na grade curricular praticada pelas escolas e pelo MEC. Outras plataformas também estão sendo desenvolvidas: o sistema de Ensino à Distância, para capacitar individualmente professores em qualquer lugar do Brasil e do Mundo; e o sistema de Capacitação Presencial de professores, no Rio de Janeiro e em outras cidades brasileiras, com o intuito de treiná-los para replicar o modelo. Atualmente, a Pedagogia UERÊ-MELLO é considerada política pública dentro do município, fazendo com que cada novo professor contratado para a rede pública de ensino tenha que ser capacitado neste método.

Impacto social

Dentro das comunidades, o impacto é muito grande no desempenho escolar de crianças e jovens beneficiados e consequentemente no trabalho com suas famílias. São crianças e jovens que têm a oportunidade de acompanhar o ensino escolar tradicional e se formar junto com suas turmas, completando corretamente e com boas notas o ensino fundamental e médio. Nos 16 anos de operação, o projeto beneficiou mais de 102 mil crianças e jovens estudantes, além capacitar cerca de 8 mil professores no método.

Dimensão econômico-financeira

Os recursos são formados por doações particulares e de empresas em eventos e campanhas.

Potencial de crescimento

A expansão se dá por duas frentes – por meio do sistema de Ensino à Distância, com o uso da Internet. Desta forma, professores interessados podem adquirir o curso conseguindo a capacitação individual. Esta ferramenta é oferecida nas opções português, inglês e francês, para que países asiáticos e africanos com problemas de ensino semelhantes aos brasileiros possam ser atendidos. Há ainda a capacitação presencial, na qual é adotada a estratégia de monitorar os índices do IDEB, facilitando a inclusão de prefeituras, cujas escolas municipais figuram entre as piores do índice. Com esta estratégia, já foram verificados excelentes resultados, oque gerou recomendações e agradecimentos por parte de escolas beneficiadas, prefeituras e secretarias de educação.

História pessoal

Uma vez por mês, a mãe de Yvone levava para casa algumas crianças orfãs da fundação Romão Duarte, fazendo com que ela e seu irmão entendessem as diferentes realidades presentes no país. Aos 13 anos, Yvone foi voluntária de um programa de leitura para jovens do Instituto Benjamin Constant – Escola para Deficientes Visuais – localizada no bairro da Urca, no Rio de Janeiro. Com 14 anos, por iniciativa própria, iniciou um trabalho voluntário na Pestalozzi, no bairro do Leme, também no Rio de Janeiro, com crianças portadoras de necessidades especiais. Depois dos 20 anos cursando a universidade do Brasil, por meio do Projeto Rondon, Yvone passou 3 meses na cidade de Aracati, no estado do Ceará, alfabetizando crianças. Naquele momento ela decidiu que sempre dedicaria uma parte do seu tempo para a educação de crianças em zonas de risco. E, para escrever a sua tese de graduação, cujo título era "Problemas de Linguagens em Crianças em Países em Guerra", Yvone visitou alguns países africanos, como o Sul do Sudão, Etiópia, Quênia e Angola e percebeu o grave problema de aprendizado das crianças que conviviam diariamente com todos os tipos de violência. Depois da África, ela intensificou seus estudos em linguística, direitos humanos e políticas públicas, e nunca deixou de fazer trabalho comunitário educacional. O resultado foram 20 anos de trabalho com meninos e meninas de rua e, posteriormente, a fundação da Escola PROJETO UERÊ.


Endereço

R Tancredo Neves, s/n Quadra 3, Bloco 255A
CEP: 21044-725 – Rio de Janeiro - RJ
Telefone: 21 3881 6219
Email: Esta dirección de correo electrónico está siendo protegida contra los robots de spam. Necesita tener JavaScript habilitado para poder verlo.
Site: www.projetouere.org.br