Luís Fernando Guedes Pinto



Luís Fernando Guedes Pinto
Organização: IMAFLORA – Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola
Tema: Promoção da conservação ambiental, o respeito aos limites do planeta e a ampliação dos benefícios sociais associados ao uso dos recursos naturais comida
Lugar de Atuação: Piracicaba - SP
Problema que aborda

O trabalho do IMAFLORA busca desenvolver e valorizar políticas e práticas que contribuam para a conservação dos recursos naturais, a proteção das florestas e a melhoria da vida de trabalhadores e comunidades rurais, tradicionais e indígenas. Trabalham para diminuir e acabar com o desmatamento no Brasil, a degradação do solo, da água e da biodiversidade, assim como condições degradantes e desrespeito de direitos de populações rurais.


Modelo de intervenção

A atuação do projeto está transformando o comportamento de negócios dos setores florestal e agropecuário e suas cadeias produtivas. O trabalho está baseado em premissas e métodos originais como: valorização dos recursos naturais, por meio do seu uso e produção sustentável; e criação de um Fundo Social, que é composto de uma taxa cobrada dos serviços de certificação prestados a empresas. O fundo é destinado a subsidiar o custo da certificação para comunidades e agricultores familiares e financiar outros projetos para este público, entre outros métodos utilizados.

Impacto Social

O Plano Estratégico incorpora uma Teoria de Mudança, responsável por apresentar um modelo de intervenção para atingir o impacto almejado: redução do desmatamento, da degradação florestal, das emissões de gases de efeito estufa decorrentes de atividades associadas ao uso do solo, do uso de agrotóxicos, além da diminuição do número de trabalhadores rurais em condições degradantes. A iniciativa atinge 705 empreendimentos florestais ou agrícolas certificados, que somam 4,5 milhões de hectares sob manejo e produção sustentável, e 109.000 trabalhadores rurais com direitos garantidos e condições dignas de trabalho.

Dimensão econômico-financeira

Os instrumentos voluntários de mercado têm sido mecanismos poderosos, mas que têm naturalmente excluído as comunidades indígenas e pequenos produtores, devido aos custos e outras barreiras para este público. O IMAFLORA é a única organização que atua como certificador florestal (FSC) e agrícola (RAS) (maior parte da receita obtida pela organização) que tem uma preocupação explícita e políticas claras para a inclusão deste público. Possuem um Fundo Social inovador para subsidiar os custos de certificação, além de outras atividades para diminuir as barreiras para o pequeno produtor se diferenciar.

Potencial crescimento

O aprendizado de 20 anos vem mostrando os limites da certificação como instrumento de inclusão de produtores familiares e tradicionais a mercados. Apesar de casos de sucesso, a certifcação de comunidades não tem tido ganhos de escala. Portanto, foi necessário usar outras estratégias para ter impacto em grandes territórios e populações de alta importãncia socioambiental, com a mesma lógica de boas práticas de produção e integração em cadeias produtivas com itens de qualidade e atributos diferenciados. O incentivo à inovação e melhoria contínua são formalmente reconhecidos e fomentados na política de avaliação e desenvolvimento de pessoas. A equipe conta com pessoas de idade e formações diferentes, visando a inovação. Há uma politica de incentivo à capacitação e formação de profissionais em atividades externas, como cursos de especialização e pós-graduação.

História pessoal

O trabalho no IMAFLORA, desde o primeiro dia em 1996, fez com que Luís tivesse contato com pessoas que o inspiraram. Colegas (Tasso Azevedo, Laura Prada e Andre de Freitas) e conselheiros do IMAFLORA (Sérgio Esteves, Marcelo Paixão e Celia Cruz), seu orientador de mestrado (Silvio Crestana) e seus pais (Luzia Alice Conejo Guedes Pinto e Luís Carlos Guedes Pinto) foram exemplo disso. No início, pensava-se que o IMAFLORA deveria se dividir em duas organizações – uma faria serviços de certificação e a outra, as atividades consideradas tradicionais de uma ONG. Frente a isto, Luís liderou uma profunda avaliação sobre o assunto que envolveu uma pesquisa sobre prestação de serviços e empreendedorismo social em ONGs, entrevistas com outras organizações e especialistas e uma consultoria jurídica de alto nível. A conclusão foi que a prestação de serviços cabe em uma ONG, desde que alinhado com a missão, tratado com transparência e com os eventuais superávits financeiros investidos na própria organização. "A educação proporcionada pelos meus pais foi fundamental para eu ter uma ampla visão do mundo, sensibilidade para as questões sociais e ambientais e querer fazer parte da transformação para um mundo melhor”, destaca Luís.


Endereço

Estrada Chico Mendes, 185
Piracicaba - SP
Telefone: (19) 34290800
E-mail: Esta dirección de correo electrónico está siendo protegida contra los robots de spam. Necesita tener JavaScript habilitado para poder verlo.
Site: www.imaflora.org